O Jogo Mancala Como Instrumento de Ampliação da Compreensão das Dificuldades de Atenção.

Nome: Daniela Dadalto Ambrozine Missawa
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 17/07/2006
Orientador:

Nomeordem crescente Papel
Claudia Broetto Rossetti Orientador

Banca:

Nomeordem crescente Papel
Sávio Silveira de Queiroz Examinador Interno
Maria Thereza Costa Coelho de Souza Examinador Externo
Claudia Broetto Rossetti Orientador

Resumo: As dificuldades de atenção constituem um tema largamente estudado no decorrer da História. Essas dificuldades têm recebido denominações como: Transtorno de déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH), Distúrbio do Déficit de Atenção (DDA). Torna-se relevante a produção de conhecimento acerca dessas dificuldades no campo da Psicologia, pois grande parte do que foi produzido encontra-se relacionado às bases biológicas desse fenômeno. È importante analisar o papel dos jogos de regras como recursos que auxiliem na avaliação e intervenção dessas dificuldades. O objetivo deste trabalho é avaliar a possibilidade de utilização de um jogo de regras como instrumento de avaliação dessas dificuldades, por meio do estudo comparativo do desempenho no jogo Mancala de crianças com ou sem dificuldades de atenção. Participaram desse estudo quatro crianças, entre nove e onze anos (três meninos e uma menina), três crianças estavam cursando a 4ª série do Ensino Fundamental à época em que ocorreu a pesquisa. A escolha foi realizada por indicação de uma das professoras das crianças, sem determinação de gênero. Foram aplicadas: Escala de TDAH - versão para professores e Tabela de Diagnóstico de TDAH versão para pais. Os participantes foram divididos em dois grupos: Grupo A (André e Antônio) apresentavam traços de dificuldade de atenção, e não estavam tomando medicamento específico e Grupo B (Beatriz e Bruno) não apresentavam traços dessa dificuldade. O jogo Mancala foi utilizado como instrumento para coleta de dados. Estes foram coletados por meio de dez oficinas (50 partidas) que ocorreram na escola. Cada sujeito jogou 20 partidas (5 partidas por oficina). Após as oficinas quatro situações-problema foram apresentadas para cada criança separadamente. Os dados obtidos foram assim analisados: desempenho no decorrer das oficinas (vitórias) e condutas de desatenção às regras do jogo. Considerou-se conduta de desatenção: a) não jogar novamente quando a última semente da distribuição caía no oásis (CDT 1) e b) não capturar as sementes do jogador adversário quando a última semente da distribuição caía em uma cavidade vazia (CDT 2). Essas condutas são prejudiciais para que o objetivo do jogo (armazenar o maior número de sementes no oásis) seja atingido. Os resultados obtidos apontaram para o fato de que há um prejuízo quanto ao desempenho nas partidas dos sujeitos do Grupo B quando comparados aos sujeitos do Grupo A, contrariando a hipótese inicial. Com relação às CDT-1 e CDT-2 as crianças do Grupo A (com dificuldades de atenção) apresentaram um número maior das mesmas quando comparadas às crianças do grupo B (sem dificuldades de atenção). Em seguida os dados foram confrontados com alguns aspectos da teoria de Piaget, com a questão dos processos de equilibração e a função do erro. Os resultados encontrados permitiram a ampliação das dificuldades acerca do TDAH e a relativização das limitações que as crianças com tais traços possuem.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910