Sofrimento mental em tempos de pandemia: um novo normal?

Resumo: A emergência de uma nova epidemia, no final de 2019 na China, nos impôs uma experiência inédita que nos atravessa em inúmeros sentidos e produzindo efeitos incontáveis e, possivelmente, alguns imprevisíveis. A grande circulação de pessoas que caracteriza nosso tempo somada ao potencial de contágio do novo coronavírus fez que ele rapidamente se disseminasse. A velocidade do contágio e ausência/fragilidade de formas de combatê-lo, tem produzido colapso dos serviços de saúde ao redor do mundo e ampliado a letalidade da doença. A Covid-19 têm apresentado um amplo espectro clínico, os casos mais comuns variam de sintomas similares a um simples resfriado até uma pneumonia grave.Apesar da grande maioria dos casos (80%) apresentar quadro clínico leve a moderado, sabe-se que em torno de dez por cento dos infectados evoluem para uma doença grave, necessitando de internação em leitos gerais e em UTI, muitos necessitando do uso de respiradores mecânicos. Destes, quarenta a cinquenta por cento, irão a óbito. No entanto, para além dos sintomas e das mortes causadas pelo novo coronavírus, a pandemia tem produzido uma série de efeitos difusos à saúde mental da população, tais como: maior incidência de depressão e sofrimento psicológico, insônia, medo/pânico, ansiedade, estresse, síndrome de burnout, aumento de casos de suicídio . Não obstante é comum que, durante as pandemias, as repercussões psicológicas e psiquiátricas, tanto individuais quanto coletivas sejam subestimadas por profissionais de saúde, pesquisadores e gestores, diante dos riscos biológicos, da necessidade de entender os mecanismos fisiopatológicos e buscar um tratamento. Tais efeitos são vividos por aqueles que precisam continuar trabalhando, mas também por quem está fazendo o distanciamento social. Assim, é preciso considerar a relevância dos aspectos relativos ao sofrimento mental, no atual contexto, uma vez que negligenciá-los ou normalizá-los pode contribuir para ampliar o poder de devastação do novo coronavírus mesmo após seu controle.

Data de início: 2020-05-04
Prazo (meses): 18

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Juliana Oliveira Silva
Coordenador Rafael da Silveira Gomes
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910