A sensibilização ao cuidado parental modifica a percepção de imprevisibilidade e o início da vida reprodutiva de adolescentes?

Nome: Adauto Barcellos de Carvalho Neto
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 03/10/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Rosana Suemi Tokumaru Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Cristina Barros da Cunha Examinador Externo
Anna Beatriz Carnielli Howat Rodrigues Examinador Externo
Rosana Suemi Tokumaru Orientador

Resumo: Carvalho Neto, A. B. (2018). A sensibilização ao cuidado parental modifica a percepção de imprevisibilidade e o início da vida reprodutiva de adolescentes? Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo.
RESUMO

A Teoria da História de Vida fundamenta-se no pressuposto de que os recursos necessários para o desenvolvimento são escassos e, portanto, os organismos enfrentam dilemas ao decidir como usarão estes recursos. Um dos dilemas envolve decidir entre investir na estratégia reprodutiva quantitativa ou qualitativa. Há indícios de que esta decisão esteja relacionada à previsibilidade de recursos durante a infância. Enquanto a percepção de previsibilidade levaria a uma estratégia qualitativa, a percepção de imprevisibilidade levaria a uma estratégia quantitativa. Em suma estratégias reprodutivas quantitativas estariam relacionadas em iniciar atividade sexual mais cedo e manter relações amorosas de curto prazo, maior número de filhos e menor investimento parental. As estratégias reprodutivas qualitativas dizem respeito a iniciar a vida sexual mais tarde, menor número de filhos e maior investimento parental (Davis & Werre, 2008). O objetivo desta pesquisa foi avaliar a percepção de imprevisibilidade e expectativa de realização de marcos de vida de adolescentes matriculados em escolas públicas do município de Vitória, ES. A amostra compreendeu 96 participantes (67 meninas e 29 meninos) estudantes de escolas municipais de Vitória, ES, matriculados no 6º e 7º períodos, cuja média de idade foi 12 anos (Min=11; Máx.=14; DP=0,9). Os dados foram tabulados e processados usando-se o software IBM SPSS Statistics, versão 20. Para descrever a amostra foram feitas análises descritivas (média, desvio-padrão, porcentagem e frequência) para cada uma das variáveis medidas. Foram avaliadas as diferenças entre as escolas nas quais foram feitas as coletas quanto às variáveis sociodemográficas e escalares através de análises de Mann-Whitney. Avaliou-se a correlação entre imprevisibilidade familiar na infância e as variáveis sociodemográficas contínuas e as expectativas de futuro dos adolescentes utilizando-se de análises de correlação de Spearman. Avaliou-se as diferenças entre as medidas anteriores e posteriores à intervenção utilizando-se de análises de Wilcoxon. A percepção de imprevisibilidade familiar na infância dos adolescentes relacionou-se significativamente com algumas variáveis avaliadas. Os adolescentes que declararam ter pais separados apresentaram significativamente (Mann-Whitney U = 785.0 p = .01) maior percepção de imprevisibilidade financeira durante a infância (M = 2,5) que aqueles que declararam não ter pais separados (M = 2,1). Houve correlação negativa significativa entre a percepção de imprevisibilidade financeira durante a infância dos adolescentes e as variáveis: poder de compra (&#961; = -.39 p < .0001), número de pessoas que contribuem com a renda mensal (&#961; = -.34 p < .001) e a quantidade de cuidadores que o adolescente declarou que cuidavam dele durante a infância (&#961; = -.23 p < .02). Nossos resultados fornecem suporte à hipótese de que a percepção de imprevisibilidade familiar na infância se relaciona à disponibilidade de recursos financeiros, instabilidade e stress social e que tem impacto sobre as decisões do indivíduo sobre o início de sua vida reprodutiva.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910